Microsoft e Apple. A luta diária de gigantes.

Nova realidade em TI muda com perfil do consumidor

por JotaB, Floripa, 29/11/2018, 10 hs de Brasília.

A transformação segue firme.

Que vivemos uma revolução digital, não temos mais dúvidas.

E o consumidor final está modificando o perfil de quem, de fato, é a maior empresa no segmento de informática no mundo. A briga é delas, a norte-americana Microsoft e da inglesa Aplle.

Em quem você posta? de qual delas você compraria ações?

Durante o pregão da bolsa desta quarta-feira, dia 28, a Microsoft viu uma alta de 3% nas suas ações, o que levou o seu valor a US$ 848 bilhões, enquanto no mesmo momento os papéis da Apple viam uma alta de 2,17%, atingindo um valor total de US$ 845 bilhões.

Ao final das negociações, no entanto, as posições já haviam se invertido novamente. A Apple fechou o dia valendo US$ 858 bilhões, enquanto a Microsoft valia US$ 853 bilhões. A proximidade entre as duas dá a entender que a briga deve se manter acirrada nos próximos dias, ou até mesmo meses.

A disputa é interessante porque mostra uma situação nova no mercado. Desde que os smartphones começaram a se tornar a principal plataforma computacional do mundo, o mercado de PCs, dominado pelo Windows -leia-se Microsoft-, passou a sofrer, contribuindo para uma desvalorização da Microsoft, ao mesmo tempo em que o iPhone, sendo o celular que alavancou a revolução, levantou a Apple à marca de primeira empresa a valer US$ 1 trilhão nos EUA.

O emparelhamento recente entre as duas empresas mostra que talvez as coisas estejam começando a mudar. O mercado de smartphones já não cresce mais, e a Apple revelou vendas estagnadas por dois trimestres seguidos, que foram compensadas com um aumento da margem de lucro por unidade vendida, pelo fato de que os novos iPhones são mais caros que os antigos.

Há vários fatos pesando contra a Apple neste momento. As vendas do iPhone não crescem mais, como já dito; além disso, há uma série de relatos de que os novos aparelhos não são o sucesso que se esperava, ao ponto de a Apple mandar reduzir a produção e começar a fabricar novamente o iPhone X, que já deveria ter sido descontinuado. As expectativas, no momento, não são positivas para a empresa, que depende quase totalmente do iPhone para se manter no topo, sendo que mais da metade das receitas da companhia vêm do celular. A empresa também acabou acompanhando as fortes quedas nas bolsas americanas, que afetou bastante as gigantes de tecnologia.

Já a Microsoft tem apresentado números positivos e tem mostrado ao mercado a capacidade de diversificar e se reinventar, o que explica o fato de ela ter se mantido em alta enquanto todo o mercado despencava. Se o Windows não dá mais os mesmos resultados de antigamente, a empresa ainda tem o Office, que movimenta fortunas, e tem cada vez mais se estabelecido como uma gigante da computação em nuvem com a plataforma Azure. O Surface tem ganhado espaço como uma categoria de produtos importante da Microsoft e o Xbox, mesmo que a geração One não repita o sucesso do 360, ainda é uma marca bastante querida pelo público.

Bom, como sempre digo, já que estamos numa revolução, onde alguém ganha e alguém perde, como num jogo de futebol, o próximo lance pode definir algum cenário ainda não compreendido por nós. E quando esse lance surgirá… bem, em TI tudo é pra ontem, muito rápido. Talvez esse lance já tenha acontecido ontem, na semana passada. E ainda não enxergamos. Ficar atento é a regra. E ensinamento pra todos os nossos outros caminhos.

Please like & share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *